Brasileiros exprimem satisfação profissional, dizem estudos

Mais do que preencher uma vaga no mercado de trabalho, 70% dos brasileiros estão satisfeitos com a atual profissão, conforme resultados de um balanço do Instituto Real Big Data. A análise demonstra que os trabalhadores mais realizados em seus ofícios têm entre 25 e 44 anos, com um índice de satisfação de 73%, seguidos por trabalhadores da faixa etária entre 45 e 59 anos. Destes, 72% afirmam que estão contentes.

A sondagem investigou os principais motivos pelos quais os participantes se declararam felizes com o trabalho atual: satisfação, identificação e autoestima (18%), ocupação exercida corresponde à área de formação (16%), remuneração satisfatória (14%) e emprego no regime CLT (9%). 

Entre os principais motivos elencados por aqueles que não apreciam o trabalho em vigor, estão, por sua vez: desmotivação e falta de realização (31%), ambiente de trabalho estressante e repetitivo (26%), serviço como meio de sobrevivência (26%) e remuneração abaixo do esperado e com poucos benefícios (10%).

O estudo do Instituto Real Big Data demonstra que, entre os participantes que se expressaram como insatisfeitos, 72% prefeririam trocar de trabalho, embora a falta de oportunidades, recursos e ofertas seja um entrave. Para 31%, a seu tempo, a falta de conhecimento e qualificação em outra área é a principal barreira, enquanto para 13% dos entrevistados a falta de tempo para redirecionar a carreira é o maior impeditivo.

Guilherme Schneider, CEO da Forum Model Management – empresa que atua com agenciamento, capacitação e desenvolvimento artístico -, acredita que o primeiro passo para a satisfação de um profissional produtivo é atuar na área que faz com que este se sinta realizado. A valer, colaboradores satisfeitos são até 31% mais produtivos, três vezes mais criativos e vendem 37% a mais em relação aos demais colegas, de acordo com um estudo da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos.

De outro modo, uma pesquisa da consultoria de gestão Bain & Company demonstrou que funcionários desmotivados podem ser 125% menos produtivos do que os companheiros que se sentem engajados e inspirados.

“O segundo passo é estar em uma empresa que te proporciona um clima de cooperação, competição e pró-atividade, que te gera oportunidade de crescimento e desenvolvimento”, acrescenta Schneider. “Vejo que a geração Z puxou a frente no que diz respeito à ‘qualidade de vida X trabalho com propósito’, e a pesquisa mostra que as outras gerações aderiram também”.

Empresas devem influenciar colaboradores de modo positivo

O CEO da Forum Model Management sublinha que a empresa é o lugar onde as pessoas passam 1/3 de sua vida profissional. Assim, se a organização for estimulante nos aspectos de criatividade, desenvolvimento e competitividade, além de valorizar o reconhecimento, a compreensão e o empreendedorismo, é certo que os profissionais irão evoluir.

“Profissionais satisfeitos e realizados em seu ofício são pessoas com autoestima elevada e autoconfiança. Consequentemente, esses indivíduos são mais propensos a ter uma boa qualidade de vida”, conclui.

Para mais informações, basta acessar: https://www.aforum.com.br/

%d blogueiros gostam disto: