Instituto no Mato Grosso do Sul promoveu desfile de moda para alunos cegos

Na sexta-feira (6), o Instituto para Cegos Florivaldo Vargas (Ismac), de Campo Grande (MS), promoveu um desfile de moda para seus alunos com deficiência visual. O intuito da programação foi a de chamar atenção da indústria da moda, ajudando na construção da autoestima dos participantes.

Os participantes desfilaram, com simpatia e alegria, ternos elegantes e vestidos de gala. Com o nome de “Moda Para Além dos Olhos”, o evento contou com dezenas de convidados, entre familiares e membros do instituto. Uma equipe pedagógica orientou os participantes, para que pudessem caprichar na passarela.

Em entrevista ao portal Lado B, John, o organizador do evento, contou que a ideia de escolher a autoestima como tema principal do projeto foi motivada pelos relatos dos próprios estudantes do Ismac.

“Então, eu busquei uma maneira de trabalhar a autoestima, porque muitos relataram que quando perderam a visão, perderam consequentemente a autoestima”, explicou. Ao longo de dois meses, o rapaz realizou oficinas para trabalhar a escolha das roupas, tecidos e estilo dos alunos. Também foram feitas rodas de conversa sobre superação e autoestima.

O resultado, ao final, foi extremamente positivo para John. “Foi uma experiência muito gratificante, porque eu nunca trabalhei com esse público. Foi uma área que eu desconhecia, descobri que a autoestima é algo que vai se construindo e eles são capazes de tudo”, ressaltou.

Para Márcio Ximenes, presidente do Ismac, trabalhos como esse são capazes de resgatar a autoestima dos participantes, não importa a idade.

“Quem perde a visão pensa que a vida acabou, mas o trabalho do Ismac é de reabilitar as pessoas para tudo. Essa questão de cuidar da beleza é um papel fundamental. A gente não vê, mas as pessoas nos veem, isso é importante”, destacou.

Mais de vinte alunos participaram do desfile, que começou às 17 horas. Uma delas era Sueli Silva, 48 anoos, que jamais imaginou que um dia iria arrasar numa passarela.

“É uma emoção muito grande, é maravilhoso, nunca achei que iria participar de algo assim. Agora, estou me sentindo uma modelo e aprendendo a sentir essa emoção de saber que sou livre para fazer algo gratificante desse jeito”, disse.

Outro que se divertiu no desfile foi o senhor Antônio Soares, 68 anos, que usou um terno azul em sua noite de modelo. Antes de desfilar, ele se preparou por meses.

Com as aulas, o idoso pôde aprender coisas importantes para o  seu cotidiano. “Aprendi a me comportar andando, a levantar a cabeça, a dar passos mais compassados no dia a dia”, completou.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: