Talita Kumy e Isadora Lima lançam obra sobre alimentação e ciclos menstruais

A maioria das mulheres e pessoas com útero não compreendem seus ciclos menstruais e passam por vários problemas caladas e sozinhas. Foram apresentadas ao anticoncepcional hormonal na década de 60 como “fórmula mágica” para prevenir gravidez e “tratar” várias doenças ginecológicas. Na bula do primeiro anticoncepcional havia a seguinte indicação: “para aliviar os sintomas desagradáveis da menstruação”. O que acontece com o bloqueio do ciclo menstrual é a anovulação, ausência de ovulação, portanto, ausência de menstruação. Parece uma solução simples. Se é ruim menstruar, por que não parar de menstruar? Alguns efeitos colaterais só foram observados tempos depois, como ganho de peso e trombose. E essa é apenas uma das formas de medicalização dos corpos de pessoas com útero, somadas a isso estão gerações de ciclos interrompidos.

As autoras escreveram esse livro virtual para incentivar o autoconhecimento a partir da observação da própria ciclicidade. Isso dá autonomia a pessoas com útero, compreendendo necessidades de cada fase do ciclo e ao longo dos ciclos, sem se pressionarem por padrões externos de como deveriam se sentir, tendo a alimentação como ponto de partida para o cuidado, com várias ferramentas para lidar com sintomas como cólicas, desregulação/oscilação hormonal, insônia, retenção de líquido, enxaqueca. Todas as vivências do ciclo podem dar pistas profundas de consciência do cuidado de si, e das pessoas com as quais convivem.

Esse é um campo aberto na vida de pessoas com útero, um convite a partilhar histórias, receitas e escuta ativa. Como trabalhar, cuidar, criar, amar respeitando os seus ciclos? Observando quais demandas podem-se alçar em cada fase. Nesta sociedade atravessada pela cultura da dieta (restritiva muitas vezes), é desafiadora uma proposta alimentar pautada no letramento emocional das pessoas que menstruam. Nesse sentido, a auto-observação coletiva é muito importante. As autoras não se propõem a escrever uma cartilha ou algo dogmático. O livro tenta ser uma das ferramentas possíveis, dentro da ginecologia autônoma e da nutrição clínica, de retorno aos ciclos como potência.

Dividem o e-book em 5 partes principais: um convite ao autocuidado e observação dos círculos de atenção, descomplicando o ciclo menstrual, dicas de como se alimentar nas fases do ciclo com opções de receitas, a base da alimentação e sua relação com a cozinha – por Talita – e, por último, práticas alimentares propostas de regulação do ciclo com sucos, chás, raízes e grãos. Talita Kumy é nutricionista e Isadora Lima ginecologista.

%d blogueiros gostam disto: